Notícia

Quem é a mulher que descobriu o primeiro coronavírus humano: conheça a cientista June Almeida

30.06.2020

Mesmo sem formação acadêmica, escocesa foi a pioneira do trabalho que permite compreender o vírus causador da pandemia do COVID-19

 

Você sabia que uma mulher foi a responsável pela descoberta do primeiro coronavírus humano em 1964? Enquanto a ciência ainda desconhecia métodos para diagnóstico e identificação de algumas estruturas de vírus, a virologista escocesa June Almeida foi capaz de desbravar esse território por meio de sua técnica pioneira – e tudo isso sem ter uma formação acadêmica. Hoje, são os estudos iniciados há 54 anos pela escocesa sobre a família do coronavírus que permitem compreender melhor o Sars-CoV-2, vírus causador da pandemia do COVID-19. E aí, quer saber mais sobre ela? Confira na matéria!

 

Técnica pioneira de June possibilitou a identificação do primeiro tipo de coronavírus em 1964

 

Aos 16 anos, depois de deixar a escola – e por não ter condições fazer uma universidade -, June decidiu trabalhar como técnica de laboratório em histopatologia na enfermaria real de Glasgow. Um tempo depois, ao se mudar para Londres, ela seguiu trabalhando no mesmo setor no Hospital St. Bartholomew. Em 1954, após se casar, ela passa a morar no Canadá, onde começa a desenvolver suas habilidades com um microscópio eletrônico no Instituto do Câncer de Ontário.

 

De volta ao Reino Unido à convite do professor Escola de Medicina do Hospital St. Thomas, ela começa a trabalhar colaborando com o pesquisador David Tyrrell, que analisava pacientes da unidade de gripe comum do hospital. Com o seu microscópio, June identificou em amostras de lavagens nasais os vírus do resfriado comum, que não podiam ser cultivados convencionalmente em laboratório, e novos vírus desconhecidos até então, incluindo a família dos coronavírus.

 

A técnica pioneira usada por June, a imunoeletromicroscopia empregando contraste negativo, é descrita como simples e inovadora ao mesmo tempo. À BBC da Escócia, o escritor médico George Winter disse que, baseada nas pesquisas, June descrevia o coronavírus como um vírus parecido com o responsável pela gripe, só que não exatamente igual. Segundo ele, foram June e Tyrrell que batizaram o coronavírus com esse nome, por causa da função da coroa ou auréola que envolvia a partícula na imagem.

 

Outras descobertas da cientista escocesa permitiram avanços no campo da virologia 

 

Vale destacar que outras conquistas notáveis da cientista foram a primeira visualização do vírus da rubéola e do vírus da hepatite A, o registro de imagens do vírus HIV, além da descoberta da existência de dois componentes distintos no vírus da hepatite B – o que ajudou posteriormente na criação da vacina para a doença. Hoje, anos após todas essas descobertas, boa parte dos artigos e livros de revisão de virologia contêm as micrografias eletrônicas de vírus produzidas pela cientista, que faleceu aos 77 anos em 2007.