Notícia

Programa L’Oréal-UNESCO-ABC Para Mulheres na Ciência bate recorde de inscrições em 2018

08.06.2018

Número de candidatas cresceu quase 35% com relação ao último ano, somando o maior número de inscrições desde 2006

O programa L’Oréal-UNESCO-ABC Para Mulheres na Ciência alcançou o maior número de candidaturas desde que o prêmio chegou ao Brasil há 13 anos. Foram 524 inscrições em 2018, número que representa um aumento de quase 35% na quantidade de projetos enviados para avaliação em relação a 2017, em que foram recebidas 391 propostas. Entre as áreas com mais candidatas estão Ciências da Saúde, com 196 inscrições, e Ciências Biológicas, com 173. Em julho, os jurados se reúnem para avaliar os projetos enviados e vão escolher as 7 vencedoras de 2018, que serão anunciadas no início de agosto. A cerimônia de premiação ocorre em outubro, no Rio de Janeiro. O Para Mulheres na Ciência é reconhecido hoje como uma das principais iniciativas para empoderar pesquisadoras brasileiras e estimular a igualdade de gênero no meio científico, onde apenas 30% das cientistas de todo o mundo são mulheres.

Estratégias para promover a conscientização e estimular a participação das cientistas

Para incentivar que mais cientistas participassem, a organização do programa iniciou a parceria com a YouTuber Jout Jout, que com mais de 1 milhão de inscritos em seu canal é reconhecida como uma influenciadora que empodera as mulheres. O vídeo feito por ela em Paris com a ganhadora do Para Mulheres na Ciência em 2017 e Rising Talent em 2018, Rafaela Ferreira, e a laureada do prêmio internacional For Women in Science em 2015, Thaísa Bergmann, já soma mais de 250.000 visualizações e gerou mais de 15.000 interações. Além da parceria com influenciadoras, o programa investiu em sua presença digital também nas redes sociais, com posts e transmissões ao vivo em seus perfis. Além de GIFs e imagens que estimulavam a participação feminina na ciência, foram postados vídeos com a participação de vencedoras de edições anteriores, incentivando a inscrição na edição de 2018.

Empoderamento e ciência

Desde 2006, o L’Oréal-UNESCO-ABC Para Mulheres na Ciência já reconheceu o trabalho de 82 cientistas brasileiras. Além do prêmio nacional, as cientistas também têm a chance de concorrer ao prêmio International Rising Talents, que ocorre todos os anos em Paris. Por ano, são escolhidas 15 pesquisadoras de todo o mundo, incluindo uma indicada pelo júri brasileiro entre as sete pesquisas premiadas. Em 2018, a escolhida foi a mineira Rafaela Ferreira Salgado, que desenvolveu pesquisas sobre terapias alternativas para doenças negligenciadas, como o vírus da zika e a Doença de Chagas.