Notícia

Menina de 14 anos descobre possível tratamento para Covid-19

06.11.2020

Anika Chebrolu ganhou prêmio de Melhor Jovem Cientista da América de 2020 pela descoberta

 

Cientistas em busca de um tratamento eficaz para o coronavírus ao redor do mundo se voltaram para ouvir uma estudante norte-americana de 14 anos que pode ter descoberto um remédio para a Covid-19. No último mês, Anika Chebrolu – que cursa a  8ª série em uma escola do Texas, nos Estados Unidos – ganhou o Desafio de Jovens Cientistas 3M, um prêmio de 25 mil dólares e o título de Melhor Jovem Cientista da América 2020 pela descoberta de uma molécula capaz de evitar infecções pela doença e, assim, colaborar com um possível tratamento para pacientes com coronavírus. 

 

Molécula encontrada por adolescente tem potencial para levar à cura da Covid-19

 

Para chegar à sua descoberta, Anika usou um método chamado “in-silico”, utilizando uma simulação de computador para encontrar moléculas capazes de se conectarem aos spikes (em português, espículas proteicas) do vírus SARS-CoV-2, causador do coronavírus, e impedir que a infecção ocorresse. No seu estudo, a jovem encontrou uma molécula que apresentou melhor atividade em relação às outras, e a apresentou como uma droga potencial para um tratamento eficaz da Covid-19.

 

De acordo com especialistas, entender a proteína spike – que é usada pelo coronavírus para entrar nas células do corpo – é fundamental para promover tratamentos eficazes contra a doença, por isso, a descoberta tem grande potencial. “O trabalho dela foi extenso e examinou bancos de dados numerosos. Sua disposição em usar seu tempo e talento para ajudar a fazer do mundo um lugar melhor dá esperança à todos nós”, disse Cindy Moss, jurada do Desafio Jovem Cientista 3M à CNN.

 

Anika pretende trabalhar com cientistas para desenvolver pesquisa em busca da cura da Covid-19

 

O interessante é que, inicialmente, o objetivo de Anika era identificar um componente capaz de se conectar à proteínas do vírus influenza. No entanto, com a pandemia, sua orientadora, Mahfuza Ali, a motivou a mudar o tema de pesquisa para estudar a Covid-19. A partir de agora, o próximo passo é avançar nos estudos sobre a molécula descoberta pela adolescente – e Anika afirmou que quer trabalhar com pesquisadores para desenvolver uma possível cura para a doença. 

 

Meus esforços para achar um componente para agrupar as proteínas do SARS-CoV-2 podem parecer uma gota no oceano, mas, ainda assim, podem ajudar. Como eu vou desenvolver essa molécula com a ajuda de virologistas e especialistas em desenvolvimento de drogas vai determinar o sucesso dos meus esforços”, disse a jovem cientista em entrevista à CNN.