Notícia

Mãe e cientista: Programa Para Mulheres na Ciência participa de evento que discutirá o desafio de conciliar família e trabalho

08.05.2018

Quatro vencedoras do programa vão participar de uma mesa redonda com objetivo de compartilhar histórias e discutir políticas de apoio às mães cientistas

Ter filhos e construir uma carreira são duas possibilidades que podem andar juntas quando se decide fazer Ciência. Para uma mulher, no entanto, o desafio de conciliar a maternidade com a demanda de dedicação que a profissão exige é muito maior. Para estimular um debate sobre esse assunto no mês do Dia das Mães, cientistas que tiveram que lidar com a maternidade vão se unir em Porto Alegre (RS) para compartilharem suas histórias. Quatro pesquisadoras que já ganharam o prêmio L’Oréal-UNESCO-ABC Para Mulheres na Ciência vão participar, em Porto Alegre, do I Simpósio Brasileiro sobre Maternidade e Ciência. O evento é organizado pela iniciativa Parent in Science, que desde 2017 apoia mães que lidam com o conflito de ajustar a rotina entre família e profissão. As doutoras Pâmela Mello-Carpes, Adriana Neumann, Fernanda Werneck e Claudia Suemoto vão contar suas experiências em uma mesa redonda no dia 10 de maio, no campus da Pontifícia Universidade Católica (PUCRS).

A intenção do evento é discutir como a decisão de ter filhos impacta a carreira científica de mulheres no Brasil ao mesmo tempo que se discutirá iniciativas em conjunto com agências de fomento à pesquisa no país. Para Fernanda Staniscuaski, pesquisadora da UFRGS e organizadora do evento, o ambiente competitivo da ciência pode dificultar que cientistas que decidem ter um filho avancem em suas pesquisas. “A escolha de dedicação aos nossos filhos nos primeiros anos de vida tem um preço muito alto profissionalmente. Vivemos em um mundo de números e de valorização exagerada da “produtividade” (que, via de regra, se resume na Ciência à publicação de artigos científicos)”, explica Fernanda. “Uma cientista que resolve desacelerar o ritmo por causa da maternidade, acaba produzindo menos e aí entramos em um círculo vicioso: a gente produz menos e recebe menos verba”.

Ser cientista ou focar na maternidade? As duas opções!

As quatro cientistas vencedoras do Para Mulheres na Ciência e escolhidas para participarem do simpósio tiveram que lidar com o delicado momento de ser mãe e continuar fazendo ciência. Mãe do Vítor, de 13 anos, a doutora Pâmela Mello-Carpes ficou grávida no final da faculdade de Fisioterapia e teve que aprender a dosar as duas funções sem se culpar por estar em casa e não no laboratório, ou vice-versa. “A principal dificuldade sempre foi o julgamento dos outros pelas minhas escolhas. Se escolhia o filho, estava me dedicando pouco à minha profissão, não ia me firmar como cientista. Se escolhia a profissão, não era uma boa mãe porque colocava o trabalho na frente da família”, conta. Para ela, o projeto Parent in Science é uma boa oportunidade de avaliar o impacto da maternidade na avaliação da produtividade das mulheres.

A bióloga Fernanda Werneck, que representou o Brasil no International Rising Talents 2017, conta que o apoio da família foi fundamental para que pudesse conciliar a maternidade e a pesquisa científica. Sua filha, hoje com 13 anos, nasceu durante o seu mestrado. “As dificuldades são muitas, tanto as dificuldades habituais de mulheres na ciência como também desafios mais específicos relacionados à maternidade em si”, analisa. “Ainda temos muito que avançar no que diz respeito aos demais incentivos e suportes que mulheres e mães cientistas podem receber para continuarem engajadas em carreiras científicas de sucesso”.

Já a médica Claudia Suemoto, hoje pós-doutora pela Universidade de Harvard, decidiu adiar a matrícula no doutorado quando ficou grávida da Isa, aos 29 anos. E essa foi a melhor decisão que poderia ter no momento: “Acabei me matriculando quando minha filha tinha quase dois anos. Embora isso possa ser visto como um atraso na minha carreira acadêmica, acho que foi uma pausa necessária para que pudéssemos nos conhecer e se adaptar uma com a outra”. Para ela, ser convidada para o evento é uma oportunidade de contar sua história e inspirar outras cientistas que passaram ou passam pela mesma situação.

Mais informações sobre o evento

A página no facebook do L’Oréal-UNESCO-ABC Para Mulheres na Ciência vai transmitir a mesa redonda ao vivo. Para assistir todo o evento, acesse o canal no YouTube do Parent in Science.

Evento: Maternidade e Ciência: presente e futuro nas instituições de pesquisa brasileiras.
10-11 de Maio, 2018

Local: Auditório térreo, Prédio 50 – PUCRS – Av. Ipiranga, 6681 – Partenon Porto Alegre – RS

Para saber mais, acesse https://www.parentinscience.com/