Notícia

Dia do Físico: conheça 3 mulheres pioneiras da Física no Brasil

19.05.2020

Confira mais sobre as trajetórias de Sonja Ashauer, Elisa Frota Pessoa e Neusa Amato e suas contribuições como pesquisadoras femininas para a ciência no país

 

Você sabia que a história da Física no Brasil também foi escrita por mulheres cientistas incríveis? Em homenagem ao Dia do Físico, comemorado em 19 de maio, aproveitamos para relembrar as trajetórias de Sonja Ashauer, Elisa Frota Pessoa e Neusa Amato: três pesquisadoras brasileiras que enfrentaram o preconceito em nome da paixão pelos estudos e, hoje, abrem caminho para o empoderamento de jovens cientistas no país e no mundo! Quer conhecer mais sobre elas? Leia o resumo abaixo inspirado no vídeo do canal Física e Afins, criado por Gabriela Bailas, Doutora em Física de Partículas na área teórica. 

 

Sonja Ashauer: primeira mulher brasileira a concluir um doutorado em Física

 

Paulista filha de imigrantes alemães, Sonja Ashauer sempre contou com o incentivo dos pais para estudar temas relacionados à ciência. Em 1942, ela se tornou bacharel em Física pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo e, em 1944, foi contratada como a primeira assistente de física teórica física na antiga USP. Ela participou de várias pesquisas envolvendo mecânica quântica, em especial estatísticas de núcleos e partículas elementares em temperaturas extremamente altas.

 

Em 1945, Sonja recebeu uma bolsa para estudar na Universidade de Cambridge sob orientação de Paul Dirac, ganhador do Nobel da Física. Durante esse tempo, a pesquisadora e outros alunos de Dirac comentavam que ele não era um orientador muito presente – o que levou Sonja a demonstrar em suas cartas o desejo de desistir do estudo e voltar para o Brasil. No entanto, ela insistiu nas pesquisas e se tornou a primeira mulher brasileira a conquistar um título internacional de doutorado em Física.

 

Elisa Frota Pessoa: uma das fundadoras do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas no Rio de Janeiro

 

Nascida no Rio de Janeiro, Elisa Frota Pessoa já se interessava pela ciência durante os tempos de escola. Contra a vontade de sua família, junto com Sonja, ela foi a segunda mulher a graduar-se em Física no Brasil, e sempre foi uma grande entusiasta da Física experimental. Segundo Elisa, todos deveriam colocar a mão na massa e verificar quais eram os problemas encontradas em experimentos, e não só na teoria.

 

Elisa foi uma das fundadoras do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas no Rio de Janeiro, e autora do primeiro artigo publicado em 1950 pelo CBPF junto com Neusa Amato. Sobre alguns dos destaques em sua trajetória, vale destacar que na primeira conferência internacional do uso pacífico de energia nuclear, Elisa foi a única cientista brasileira a ter seu trabalho aceito para ser apresentado na Suíça. Além disso, ela também inventou um método de soma que é muito utilizado até hoje em pesquisas de física nuclear. 

 

Neusa Amato: uma das primeiras pesquisadoras da CBPF

Filha de imigrantes libaneses, Neusa não recebia apoio da família para seguir os estudos: em seu caso, seu pai queria que ela trabalhasse em vez de estudar. Ainda assim, seu professor de matemática enxergou o grande potencial de Neusa nas áreas exatas e começou a ajudá-la com aulas particulares, para que pudesse prestar o vestibular.

 

Assim, contrariando seus pais, ela se tornou bacharel em Física aos 19 anos, em 1945. Após a formatura, apesar de trabalhar dando aula em dois colégios, Neusa nutria o sonho de trabalhar com pesquisa – desejo que, pouco tempo depois, levou a cientista a aceitar o convite de César Lattes para trabalhar como pesquisadora no CBPF junto de Elisa Frota Pessoa. Vale lembrar que Neusa publicou mais de 110 trabalhos até sua aposentadoria em 1996, ano em que também foi homenageada com a Medalha CNPq de Honra ao Mérito.

 

Sonja, Elisa e Neusa foram pioneiras da Física no Brasil, rompendo barreiras de preconceito e mudando a ideia que as pessoas tinham sobre mulheres na área. 

 

Gostou do tema? Confira aqui o vídeo na integra!